sábado, 5 de abril de 2014

CANSAÇO.

Não quero amar nem ser amado…
Quero ficar estúpido e cansado
A este canto, e só.

Batido pelo vento,
Sem conforto, sem pão, sem alegria.

E se eu chamar não venhas.
(Que eu não hei-de chamar-te…)

No entanto, Amor, não saias para longe.
É que eu posso, apesar de tudo quanto digo,
Chamar por ti.
E era tão bom saber que me escutavas!...
E era tão bom sentir que perdoavas!...

Sebastião da Gama
(1924-1952)

1 comentário: