domingo, 20 de Julho de 2014

NATIVIDADE

Nascer e renascer...
Ser homem quantas vezes for preciso.
E em todas colher,
No paraíso,
A maçã proibida.
E comê-la, a saber
Que o castigo é perder
A inocência da vida.

Nascer e renascer...
Renovar sem descanso a condição.
Mas sem deixar de ser
O mesmo Adão
Impenitentemente natural,
Possuido da íntima certeza
De que não há pecado original
Que não seja o sinal doutra pureza.

Miguel TORGA
(1907-1995)
OS LOUCOS

Há vários tipos de louco.

O hitleriano, que barafusta.
O solícito, que dirige o trânsito.
O maníaco fala-só.

O idiota que se baba,
explicado pelo psiquiatra gago.
O legatário de outros,
o que nos governa.

O depressivo que salva
o mundo. Aqueles que o destroem.

E há sempre um
(o mais intratável) que não desiste
e escreve versos.

Não gosto destes loucos.
(Torturados pela escuridão, pela morte?)
Gosto desta velha senhora
que ri, manso, pela rua, de felicidade.

António Osório
in 'A Ignorância da Morte'
ÂNSIA QUE SÓ TEM

Ânsia que só tem
o limite do sonho.
De tudo me vem
a dor que nela ponho.

Uma dor de esperança
que teima em romper
deste chão de raiva
que nos dão pra viver.

Mas que queremos arar
de flores e de frutos.
Oculte a seara
o campo de lutos.

João José Cochofel
(1919-1982)
In "Os Dias Íntimos"

sábado, 5 de Julho de 2014

EM MIM PRÓPRIO EU TROPEÇO.


Em mim próprio eu tropeço
como a água na água e, alta vaga,
a mim próprio me arrasto
sem sair do meu curso. E, como o vento
fere o ar, eu a mim próprio
me rejeito, e a poeira
sobe e escurece-me. Mas, tão leve
como a luz, acendo-me,
e o ar e a água reflectem
minha delida imagem
para ver-se - não ver-me.

Ángel Crespo
(1926-1995)
In "A Realidade Inteira"

terça-feira, 1 de Julho de 2014

VIDA

"Calados, mudos,
no buraco metidos,
sem coragem de nos mexermos,
de medo transidos,
sempre despertos os cinco sentidos
não cheguem lá fora os ruídos
do mastigar das migalhas
das mesas caídas;
a vida cobarde a toda a hora agradecida,
como esmola recebida ...
isto não, não é vida!"

Joaquim Namorado
(1914-1986)
In "Incomodidade"

domingo, 29 de Junho de 2014

INVERNIA

Traz o vento do mar tempestades escuras
e canta ladainhas de Inverno nos pinhais:
faz noite - dia e noite - em todas as casas.

Passa um gemido pela costa - tá mar !
(Só nos peitos rugem marés-cheias de largada,
só os olhos são barcos a navegar...)

E todo o Inverno, de cabeça tombada
como barco inútil varado de mágoa,
fica na praia um pescador enorme:
- tem um pé na areia, o outro na água,
nas mãos uma sardinha podre
e nos olhos o sal de todos os mares!...

MANUEL da FONSECA
(1911-1993)

sábado, 28 de Junho de 2014

À CHEGADA DOS DIAS GRANDES.

Da luva lentamente aliviada
a minha mão procura a primavera
Nas pétalas não poisa já geada
e o dia é já maior que ontem era

Não temo mesmo aquilo que temera
se antes viesse: chuva ou trovoada
é este o Deus que o meu peito venera
Sinto-me ser eu que não era nada

A primavera é o meu país
Saio à rua sento-me no chão
e abro os braços e deito raiz

E dá flores até a minha mão
Sei que foi isto que sem querer quis
e reconheço a minha condição.

RUY BELO
(1933-1978)